Você resolveu tentar a fazer test-first. Conseguiu fazer seu primeiro teste passar. As coisas estavam fluindo bem até quando você chegou em um ponto em que não consegue escrever o próximo teste. A ideia está na sua cabeça, pronta para ser jogada em execução, mas travou no processo de escrita da especificação executável (seu teste). E agora?

Neste momento, você que está ainda se adaptando a nova forma de pensar, acaba chegando em uma rua sem saída. O segredo aqui é não desistir e sair falando que o @dhh é um gênio da computação, um visionário e que TDD is dead mesmo. Calma lá, rapá!

Para lidar com este problema crítico, temos que antes analisar nosso (seu) cenário. Para tanto, vamos listar alguns sintomas que poderão nos levar a causa e depois a solução:

Ao tentar escrever o teste, eu:

  1. Não consigo imaginar em qual objeto ficará a feature - e/ou se ele precisará de outros objetos existente para funcionar.
  2. Preciso mockar um objeto do qual é criado dentro da classe que vou usar como auxiliar.
  3. Percebi que meu setup (before no RSpec) tem mais que 5 linhas.
  4. Estou querendo testar um método privado.
  5. Não consigo isolar a feature que vou criar. Os objetos que irão interagir com ela são complexos para mockar.
  6. Não consigo verificar se um evento/callback do framework que estou usando foi chamado.
  7. Tenho um mock que retorna um outro objeto que precisa também de ser configurado com mock. Parece um mock-de-mock.
  8. Vou precisar instanciar vários objetos nesta nova feature.
  9. Estou criando o código de produção e meu método alvo do teste está imenso ou/e cheio de chamadas à métodos privados da própria classe.
  10. Demorei tanto pensando numa solução que acabou desistindo e criando o código sem teste. O código de produção funciona (você o testou manualmente), porém ainda não sabe como escreverá (e se) o teste que o validará.

Prelúdio

Para começar, precisamos carregar os pré-requisitos em nossa mente para conseguir seguir em frente. Eles são leituras importantes que contêm conceitos, dicas e definições de assuntos que precisamos lembrar de bate-pronto para lidar com o grande problema acima.

  • Three rules of TDD: Red, Green, Refactor. Sem pressa. Pensar 10 minutos pode render 1h de bate cabeça e desespero com prazos.
  • Baby steps: nos seus primeiros 6 meses, recomendo que faça sempre baby steps para evitar os problemas acima.
  • God Class ou God Method - você não está abstraindo as coisas como deveria. Você pode e deve cogitar criar POROs (Plain Old Ruby Objects) que irão auxiliar seus demais objetos dentro do pacote/domínio da aplicação.
  • Tell, Don't Ask evite perguntar algo para o objeto colaborador para baseado no resultado, fazer algo. Se precisa fazer, solicite que o próprio faça uma vez que ele tem o valor/estado que é pré-requisito.
  • Injeção de Dependência: o Ruby inteiro é baseado nisso. É algo natural e que você deve manter em seus códigos. Poderá resolver problemas de mocking e overmocking, por exemplo.
  • Crie tipos! Seu software é financeiro? Inspire-se nos nomes reais ou que seu cliente fala. Se na reunião ele diz que o cliente irá transferir dinheiro da conta pessoal para um outro cliente, experimente criar Money, Transfer, Account, Customer. Ubiquitous Language FTW!
  • SRP. The same old Single Responsibility Principle. Ok, você já ouviu isso incontáveis vezes. Mas pare para pensar naquele objeto com um método público e 10 privados. Pensou? Agora leia a dica acima de sobre criar tipos. Entendeu o que eu quis dizer?
  • Você entendeu quais os objetivos de mockar, certo?

Continuará

Vou comentar em detalhes cada um dos 10 problemas ao criar o próximo teste nos próximos posts. Vou utilizar diagramas, exemplos de código e tudo mais que for necessário em cada caso. O prelúdio obviamente contém spoilers sobre o que utilizaremos para resolver os problemas e continuar on track no test-first. Então se você estiver disposto, pense com calma e veja se consegue sair da rua sem saída antes do post que falará sobre seu problema em detalhes.

Para começar, ouça o Ruby Rogues #158 chamado Confessions e o Thoughtbot #79: The Gentle Wise One. Se você codifica em Ruby, não deixe de ler e ver o meu post sobre Arquitetura, Rails e o ecossistema Ruby, onde contém um bom start sobre as raizes de alguns dos 10 problemas ao fazer seu próximo teste passar.

To be continued.

As demais partes estão aqui em ordem: