Refatoração de código

post-10513-Code-Refactoring-Cat-in-Bathtu-yRZT

Não precisa acompanhar o “mundo dos testes” para saber o que significa refatorar. Aliás, quem nunca ouviu algum co-worker ou você mesmo tenha feito uma refatoração de um código.

Primeiro, vamos deixar bem claro o que é refatoração. Vamos lá. Você tem até o próximo paragrafo para pensar na sua definição de refatoração de código.

Pronto? Aqui vamos nós!

A milagrosa refatoração de código

Primeiramente é importante explanar de que há dois tipos de refatoração: a) refatoração, terceira etapa do Test-Driven Development (Red, Green, Refactor); b) refatoração de um código de produção já existente. Neste momento vou tratar apenas do item b).

A necessidade de uma refatoração dá-se inicialmente por uma decisão de um (ou mais) programadores sob um determinado trecho de código, por concluir de que aquilo não está construído de uma maneira aceitável. Disto, o cabra deve lembrar de que refatorar quer dizer: não mudar o comportamento da parte a ser refatorada. Apesar de óbvio, essa primeira premissa é a mais violada ao refatorar algo, pois junto da refatoração o programador resolve fazer umas coisinhas a mais (inserir novas features, por exemplo).

Não precisa ir muito longe para provar de que isso não funciona bem, não é mesmo? Ao refatorar você pode quebrar coisas. E, para evitar que essa quebra não vá parar em produção (ou parar o env de produção), você precisa de respostas rápidas a quaisquer mudanças que faça no código, por menores que sejam. (Test-First aqui, alguém?).

Item número dois: evite com todas as forças ficar criando tarefas de refatoração no projeto. A refatoração deve vir com um propósito. Prever o futuro não é um propósito. Não há necessidade de refatorar algo que está em produção há tempos só pelo prazer de refatorar um trecho de código. (você pode fazer isso em casa, para estudar, claro!) Pois você já deveria ter feito isto no terceiro passo do TDD: (Red, Green, Refactor). Se não o fez, espere até que venha precisar trabalhar com aquele código novamente para implementar uma nova feature, daí, divida essa feature em duas etapas: refatorar o código envolvido na nova tarefa e fazer a nova tarefa. Lembre-se: dois passos. Refatorar e somente depois, implementar.

O (semi)deus da refatoração

Lembra que falei que a palavra refatoração você já devia ter ouvido em algum ambiente antes? Sempre ao pegar um código é um costume a gente não entender o que aquilo faz (e por que faz). Por não entender, a gente vai e diz: ah, isso aqui precisa de uma refatoração. Será mesmo?

Esse tipo de atitude pode colocar em xeque os benefícios da refatoração e pior: quebrar algo em produção desnecessariamente, pura e simplesmente porque você sendo novo naquele projeto/equipe não entendeu o código – o que é normal em todo início. Com isso, você faz feio com a equipe e pode destruir todo um processo de amostragem e explicação sobre benefícios de uma refatoração planejada.

É importante que você vá com calma e espere até ter uma certeza mais clara das coisas.

Refatoração nem sempre é a melhor saída

Outro ponto a favor de evitar sair refatorando sem saber quem nem porquê é ter o controle analítico de analisar o cenário em questão e verificar se a refatoração de código solucionaria o problema. Já vi casos em que o código em si não estava ruim, estava aceitável, o verdadeiro problema era um design mal pensando e neste caso, a refatoração não ajudaria em nada. Você precisaria ir além nas decisões.

É preferível manter um código espaguete por mais um tempo do que perder a (única) chance de mostrar os benefícios. No podcast de número 157 do Ruby Rogues, Rebecca Wirfs-Brock afirmou outro ponto importante:

“You’re sort of arguing that refactoring is not necessarily always the best way to clean up a design. Sometimes, you might want to start over.”

Às vezes realmente vale mais a pena fazer um git reset ou um git stash (como disse o Avdi Grimm brincando com ela) mental e partir a fazer uma outra solução do zero. Já tive que fazer isto inúmeras vezes ao longo do tempo. Um grande aliado nesse processo são os Testes de Unidade com Test-First, pois eles dão uma resposta muito rápida sobre seu progresso (ou estagnada) de raciocínio.

Hoje a conclusão, dar-se-á em forma de resumão!

Resumão:

  1. Respostas rápidas ao refatorar. Teste de unidade é a única forma de conseguir isto rapida e isoladamente.
  2. Refatorar. Depois de pronto, volte para implementar o que ia fazer no começo. Não faça os dois juntos por mais que Goku desça da núvem para te pedir isto.
  3. Refatorar ao entrar num projeto: it’s a trap!
  4. Às vezes é melhor um git reset mental e partir para outra solução.
  5. Estar apoiado em teste de unidade e test-first trará a confiança necessária para tomar a decisão de refatorar.
  6. Esforce-se para não tornar a refatoração uma task do seu projeto. Ela deve ser junto de uma task de implementação. Refatorar precisa de propósito.
  7. Red, Green, Refactor (TDD) != Refatorar código de produção.